quarta-feira, 31 de maio de 2017

Dia Nacional da Matemática


Iniciamos este mês com uma grande comemoração que é o Dia Nacional da Matemática, em 6 maio. Esta data é o dia do nascimento do professor de matemática Julio Cesar de Melo e Souza, mais conhecido pelo pseudônimo de Malba Tahan. Este foi um grande escritor que explorou a narrativa oriental, o outro lado do professor brasileiro Julio Cesar.

Em grande evento, no Colégio Alcina, o Dia Nacional da Matemática - decretado desde 2004 em homenagem ao nascimento do professor de matemática Julio Cesar, aconteceu no estilo árabe, com música, dança e comida típicas. Para que os alunos e professores pudessem conhecer um pouco da história deste professor, a professora de matemática Elenise Araujo , interpretou uma jornalista que entrevistou o professor Julio Cesar, interpretado também pelo primo da professora, Odinei Santos.

A entrevista aconteceu num cenário aconchegante, com direito a almofadas, incensos, velas e e com trajes típicos. As perguntas e respostas seguiram fielmente a entrevista com o professor Julio Cesar concedida a antiga Rádio Nacional em 1974. Contou toda a sua história desde a infância como estudante e seus interesses pela leitura e escrita, até a sua fase adulta como professor de matemática e escritor.

Sabatinado com muitas perguntas, o professor Julio Cesar, sob os olhares atentos dos convidados, parecia realmente estar presente. Contou toda as peripécias da sua infância a partir dos  10 anos , quando retornou de São Paulo para o Rio, por imposição do seu pai para que fosse estudar no Colégio Militar. Enfatizou que o seu gosto pela leitura e escrita foi influenciado por Monteiro Lobato e com muita criatividade, colocava os nomes mais esquisitos em suas histórias. Tirando muitas risadas dos convidados, contou que fazia redações para os colegas de classe e percebendo que eles obtinham notas máximas, passou a cobrar pelas redações – cobrava 400 réis por cada redação e foi assim que consegui pagar o bonde , comprar meu uniforme e meu lanche.

Além das histórias contadas sobre sua vida estudantil, explicou como iniciou o seu sucesso como escritor. Tudo começou quando trabalhava no jornal como colaborador. Sendo muito difícil na época um escritor nacional publicar livros, decidiu usar pseudônimos para seus contos como, S. R. Slady. O sucesso foi enorme e a partir daí, não parou mais de escrever, sem que ainda fosse reconhecido como professor de matemática Julio Cesar, decidiu usar o nome Malba Tahan, como pseudônimo definitivo.

Foram muitos livros publicados com o pseudônimo de Malba Tahan, entre eles mais de 100 obras, sobre matemática recreativa, didática da matemática, história da matemática e ficções infanto-juvenis. O seu mais famoso livro é o Homem que Calculava, traduzido para várias línguas e com uma venda de mais de 2 milhões de exemplares só aqui no Brasil.

Despediu-se dos convidados deixando um recado bem provocativo – Não pensem que a matemática é um amontoado de fórmulas e de cálculos exaustivos. Ela é muito mais do que isso! Não se preocupem com notas baixas, pois a culpa não é de vocês! Seus professores são os culpados em querer sempre dar grau zero. Peçam aos seu professores para mudar, peçam para serem grandes contadores de histórias.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Oficina de Guirlandas

Origami - Arte e Geometria


No finalzinho do ano letivo, o que movimentou minha escola -  C. Alcina, em Niterói, foi a oficina de Guirlandas Natalinas.

Misturando a geometria à arte, meus alunos do 2º ano se empolgaram em apresentar a técnica milenar  japonesa de dobragem de papel - Origami. 


Com pedaços de papéis quadrados, conceitos simples de geometria, como diagonais, vértices e lados, podem sair da verbalização e memorização e, serem percebidos facilmente numa pratica divertida de dobrar papel.










Animados em enfeitar suas casas nesta época de Natal, com 8 pedaços de papeis nas cores natalinas e algumas simples dobras, lindas guirlandas surgiram até nas mãos dos mais desajeitados.

Não pode faltar também os tradicionais enfeites natalinos como sininhos,estrelas, cajados, botinhas, gorros e o tradicional Papai Noel. Tudo isto feito com muita arte, papel e diversão!






Quando agregamos a arte à matemática, podemos diminuir um pouco da aversão que os nossos alunos possuem a esta disciplina. Com esta tão tradicional arte de dobraduras de papel, fica mais fácil despertar no estudante um estímulo para querer conhecer, aprender e criar.



Mas, hoje, os professores foram os aprendizes!

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Etnomatemática

Sonas Africanas



Fonte: Ciência e Diversão
Nos países africanos – Angola e Congo há uma tradição de desenhar na areia e com o dedo, figuras geométricas feitas por linhas contínuas que envolvem pontos.

As linhas são sempre fechadas,onde cada uma delas deve ser sempre traçada de forma contínua, sem tirar o dedo da areia, conforme a tradição.

Os desenhos são chamados de Sonas, segundo a língua quioca,cada um se chama lusona,que é o singular da palavra no plural Sona. 

Estas sonas foram estudadas pelo matemático holandês Paulus Gerdes, que passou a residir em Moçambique na década de 70.

Como importante pesquisador da Etnomatemática e principalmente da história matemática da África, pesquisou estes desenhos verificando diversas propriedades matemáticas que vão desde simples cálculos até análise combinatória.




No evento da Matemática 360°do C. E. Prof. Alcina R. Lima, meus alunos trouxeram alguns exemplos de Sonas, que para muitos foi um grande desafio conseguir desenhar sem levantar o dedo da areia. 




" A professora nos mostrou alguns cálculos que estão nas Sonas,
mas o legal mesmo foi desenhá-los na areia. Em casa, até o meu irmão e os meus pais gostaram de desenhar." (Crislayne, 9° ano)
















¹ Ciência e Diversão. Blog Informativo do Parque da Ciência. disponível em: < http://parquedaciencia.blogspot.com.br/2014/08/matematica-na-antiguidade-continente.html>

² Paulus Gerdes (1953- 2014) - professor e escritor que trouxe diversas contribuições sobre a história da Matemática da África desde 1986, sendo presidente da Associação Internacional para Ciência e Diversidade Cultural (2000 a 2004). Sucedeu o brasileiro Ubiratan D'Ambrosio na presidência do Grupo Internacional de Estudo da Etnomatemática. Publicou diversos livros sobre a cultura dos povos moçambicanos, entre eles,Otthava: Fazer Cestos e Geometria na Cultura Makhuwa do Nordeste de Moçambique.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Matemática 360°


A 2ª etapa do projeto da SEEDUC - Matemática 360°, aconteceu na sexta passada, dia 13, no Colégio E. Profª Alcina R. Lima. Novamente contagiou os nossos alunos, com a presença de todos os estudantes do turno da manhã.


A equipe de matemática repetiu o sucesso do 1° evento com os jogos tradicionais – Jogo de Damas, Jogo da Velha e Resta 1, reproduzidos no chão da quadra da escola em tamanhos gigantes, uma forma de testar a capacidade  física e mental dos nossos alunos.












Tivemos também os jogos de raciocínio , como Quebra-cabeças, Labirintos, Tangrans, Cubos, Palitos,Quiz, entre outros, que prenderam a atenção daqueles que queriam ser bons jogadores.



Entre tantos jogos, também não pode faltar a Arte na Geometria, com oficinas de Caleidociclos, de Mandalas Geométricas e Trançados Indígenas para pulseiras e tapetes.



E para animar mais o evento, não faltou quem procurasse pelo tesouro – chocolates para a equipe, que por meio de enigmas matemáticos, encontraria as pistas que a levasse ao tesouro.

Etnomatemática


Mas, a novidade foram as Sonas Africanas, desenhos feitos na areia – uma tradição dos povos da Angola.  Originalmente, os desenhos são figuras geométricas traçadas na areia com a ponta do dedo, a partir da marcação de pontos simétricos que serão contornados por linhas contínuas. Para não fugir da tradição, em grandes caixas com areia, os alunos do 9º ano trouxeram como curiosidade, alguns exemplos de sonas, que para muitos foi um grande desafio conseguir reproduzir na areia a figura com apenas uma linha contínua.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

A Matemática dos Gigantes



A Secretaria de Educação do Rio propôs para este ano o projeto Matemática 360º, com o objetivo de estimular o desenvolvimento de atividades que promovam o engajamento


dos estudantes no processo de aprendizagem da matemática.

Com o tema " A Matemática dos Gigantes ", escolhido pelos professores de matemática do Colégio E. Prof. Alcina R. Lima, a primeira dinâmica relacionada ao projeto aconteceu na escola, neste sábado, dia 22 de agosto.



O objetivo maior era fazer com que a matemática aparecesse para os alunos de forma mais atraente e divertida. 

Para isto, os professores de matemática do Colégio Alcina apostaram na interação dos alunos com jogos tradicionais, como Jogo da Velha, Jogo de Damas, Resta 1, Torre De Hanói e Batalha Naval que foram reproduzidos no chão da quadra da escola, porém em tamanho muito maior do que seus tradicionais tabuleiros.


Além de " quebrarem a cuca", os alunos tiveram também que gastar energia para jogarem de pé os jogos na versão tamanho gigante. 



Outros jogos, como os de raciocínio, elaborados pelos alunos, como Sudoku, Quiz, Labirintos
Lógicos, Quebra-Cabeças, Tangrans entre outros, tornaram-se atrativos para os estudantes.

















Para as alunas do 2º ano do ensino médio, Mayara, Neiry e Mayara Oliveira, a atração foi reconhecer poliedros como se fossem deficientes visuais. Com os olhos vendados e somente se apropriando do tato, as alunas procuravam compreender as características destas figuras espaciais e seus elementos como vértices, arestas e faces. 

"Quando a professora me convidou para reconhecer as figuras, achei que seria impossível identificá-las sem a visão. Mas, aos poucos fui tateando os poliedros e percebi que era muito mais fácil do que em sala de aula" , comenta Mayara Oliveira.



Não poderia faltar a linguagem audiovisual para incrementar esta primeira rodada do projeto, que por meio de um vídeo produzido por Tiago Zurcher e Vitor Lima, ambos alunos do 3º ano do ensino médio, registraram depoimentos dos professores de matemática e dos alunos, que está sendo motivo para reflexões.








domingo, 28 de junho de 2015

Dia Mundial do Meio Ambiente

Comemoração do Dia Mundial do Meio Ambiente

Sempre com o objetivo de preservar e proteger o meio ambiente, comemorar o Dia Mundial do Meio Ambiente não podia ficar esquecido entre os meus alunos. De uma forma bem divertida, colorida  e consciente, resolvemos comemorar este dia com exposições e atividades utilizando materiais recicláveis, como vidro, papel e pets.


Para os alunos do 2º ano do ensino médio, foi uma oportunidade de conhecer na prática os 5Rs - reciclar, repensar, reduzir , reaproveitar e recusar. O reaproveitamento, por exemplo, foi para eles uma forma de ver como é possível continuar usando um objeto, colocando-o em uma nova função. São atitudes simples, mas que geram consequências altamente benéficas para o meio ambiente, pois consegue-se reduzir significativamente a quantidade de materiais descartados no lixo e também uma forma de economizar, evitando-se comprar objetos que podem ser obtidos por meio da reutilização.

Produziram objetos que foram reutilizados a partir de vidros - garrafas de azeite, de sucos e de bebidas em geral foram transformadas em lindos jarros de flores, ou decoradas com areia colorida. Já os potes de comidas em conservas viraram lindos baleiros com tampas decoradas de bichinhos e também como porta-trecos para costura.

Já a turma que reutilizou pets e plásticos em geral, a criatividade não pode faltar: pets cortadas e costuradas viraram lindos estojos de lápis e lindos baleiros quando pintadas e enfeitadas, potes de sorvetes e embalagens de produtos de beleza serviram como porta-trecos, as embalagens de limpeza como sabão líquido e amaciante de roupas, se transformaram em kits para jardim. Não podia também faltar brinquedos produzidos com pets que chamaram a atenção da criançada que passou por lá.


















Para a turma que reutilizou papel e papelão, muitos objetos foram construídos, cestas de frutas, porta-lápis, porta-trecos, porta-retratos, bolsinhas, organizadores de maquiagem e, para enfeitar , corujinhas e pinguins. 



Oficinas sobre como reaproveitar o jornal, também foi uma boa sugestão para quem quer fugir dos plásticos que forram as lixeirinhas.





A grande descoberta para estes alunos também foi a iniciativa de durante a exposição vender os objetos para aqueles que por ali apreciavam e, não faltaram interessados em comprar - "Sempre quando aprecio a produção dos alunos, eu pergunto se eles não querem me vender...é uma forma de incentivá-los.." , comenta a professora Tânia, de língua inglesa.



Além da prática sustentável que a exposição gerou em minha escola, pude perceber que a matemática ali também se infiltrava sem que os alunos percebessem, pois em diversos momentos durante a venda dos objetos, cálculos mentais tinham que ser feitos para atrair clientes e não perder dinheiro.

Quem sabe, daqui pra frente, os alunos comecem a repensar na reutilização do seu lixo domiciliar e também nas possibilidades de gerar renda com estas atitudes, e o que mais me chamou a atenção foi a decisão de todos em juntar o dinheiro arrecadado com a venda dos objetos para gastar exclusivamente com o passeio cultural que fora realizado na semana seguinte ao Jardim Botânico. Bela atitude!

  

domingo, 30 de novembro de 2014

FEIRA MULTIDISCIPLINAR - 2014

Semana Multidisciplinar


Com uma programação cultural diversificada, o C. E. Profª Alcina R. Lima, realizou sua feira multidisciplinar nos dias 16, 17 e 18 de novembro.

 Entre muitas exposições de trabalhos, experiências de ciências, apresentações musicais, teatrais  e literárias,  a escola contou com a parceria da UFF trazendo o projeto Ciências sob Tendas.

Alguns eventos da nossa programação:





Projeto Ciências sob Tendas 


O projeto é uma mostra itinerante de atividades lúdicas e interativas com o objetivo de popularizar os conhecimentos tecnocientíficos. 



Geometria e Arte



Foram expostos origamis produzidos pelos alunos do 2º ano sob a orientação das professoras de matemática e de artes, Elenise Zaccur e Beatriz Crespo.

 Entre os origamis, destacavam os de motivos natalinos, como guirlandas, sininhos e botinhas de Papai Noel.






Já a professora de matemática Márcia Azamor, apostou na arte em movimento, com a exposição de caleidociclos desenvolvidos pelos alunos do 9º ano.



Também tivemos oficinas oferecidas aos alunos interessados em aprender a construir uma linda caixinha feita por meio do trançado de papeis coloridos.